terça-feira, 7 de outubro de 2008

E agora, José?

A tormenta (quase) passou. Foram-se centenas de candidatos entre vereadores e prefeitos e agora nos restam apenas dois. Foi-se a bonequinha, foi-se o delegado carente, foi-se a esquerdista, foi-se o "professor"... e, finalmente, foi-se o único que, sem dúvidas, pode ser chamado de candidato. Ficaram o garoto de Traquateua e o outro lá...

E agora, o que fazer? A coisa 'tá feia pra barbalho... falando nisso, por que o nosso tão carismático candidato do PMDB omite seu tão famigerado sobrenome? Vergonha? Cautela? Estratégia? (...) Durante toda a sua campanha, foi dito que, a partir do seu mandato, o prefeito será obrigado por lei a continuar uma obra inacabada. E o povo adora, exalta-se. Mal o povo sabe que é princípio a obrigatoriedade de continuar uma obra da gestão passada, em face do princípio da impessoalidade, atrelado ao da moralidade. Impessoalidade. É difícil de compreender? A gestão é impessoal; quem está ali está em serviço do povo, e não em proveito próprio (em tese, claro). Portanto, esse discurso mentiroso só ilude os desinformados.

Tem outra: foi dita na campanha rica em falácias que, foi o Barbalho quem "deu" passe livre aos idosos. Que coisa feia... Além de enganar os pobres coitados com esse discurso de nova lei, ainda engana os velinhos. Existe o estatudo do idoso, sabia? Pois é. Eis um excerto dele:
CAPÍTULO X
Do Transporte


Art. 39. Aos maiores de 65 (sessenta e cinco) anos fica assegurada a gratuidade dos transportes coletivos públicos urbanos e semi-urbanos, exceto nos serviços seletivos e especiais, quando prestados paralelamente aos serviços regulares.

Agora, o mais legal. Olha quem são os autores do estatuto: Márcio Thomaz Bastos, Antonio Palocci Filho, Rubem Fonseca Filho, Humberto Sérgio Costa Lima, Guido Mantega, Ricardo José Ribeiro Berzoini, Benedita Souza da Silva Sampaio, Álvaro Augusto Ribeiro Costa. Alguém viu Priante ou Barbalho? Não.

E agora, José?

Um comentário:

Luana Rabelo disse...

tirando o 'bonequinha' o texto ta excelente!!! a festa acabou josé, ou pelo menos a tentativa de ter uma. ainda que não pareça bom, nada mudou. e sinceramente nunca pensei que a falta de mudança ia me deixar tão aliviada num segundo turno. Mas já passou, todo mundo esquece.